Campus de Toledo da Unioeste constrói mais dois auditórios

Previous Next

O Campus de Toledo, da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), está construindo mais dois prédios para ampliação do espaço físico do Campus. As novas instalações são dois auditórios, com capacidade para 380 e 180 pessoas. O auditório maior está em fase de acabamento, e o menor está em construção.

Para a construção dos novos auditórios, foi investido cerca de R$ 2,15 milhões. Parte desse recurso é proveniente do Fundo Paraná, outra  veio do Ministério da Educação e outra parte são recursos próprios da universidade.

O diretor geral do Campus, Remi Schorn, fala que os novos auditórios destinam-se a eventos internos do Campus e também a receber congressos científicos de nível estadual, nacional e internacional, pois o Campus de Toledo ainda não possuía estrutura para receber tais eventos. Além dessa destinação, o diretor afirma existe a ideia de abrigar eventos municipais abertos à comunidade, como peças de teatro e afins.

Professor e pesquisador da Engenharia de Pesca, Sergio Makrakis avalia que os novos auditórios podem dar visibilidade internacional ao Campus de Toledo da Unioeste. “Há casos, como na minha área (Engenharia de Pesca), em Filosofia, e alguns outros cursos, que pode-se puxar um evento internacional para Toledo”, afirma. Makrakis disse que, há cinco anos, o Campus acabou perdendo um evento desse porte, que acabou sendo realizado na Austrália.

Para o professor do curso de Filosofia, Cesar Battisti, os novos auditórios são uma oportunidade para repensar os eventos. “A nova estrutura do Campus de Toledo vai propiciar que a gente repense esses eventos, no sentido de reunir mais pessoas, e também que a gente pense em novos eventos”, avalia Battisti.

Para o professor, a construção dos novos espaços contribui em quatro aspectos específicos para o Campus: a realização de grandes eventos científicos de pesquisa; eventos e atividades para a formação de docentes do ensino fundamental e médio; oferta de eventos culturais para a comunidade toledana; e a retomada da criação de um curso de artes no Campus.

Por Daniel Schneider
Sob supervisão de Rosana Mirales


Imprimir